Na Rua do Sabão

Publicado em 1924, em versos completamente livres, Manuel Bandeira em seu poema infantil "Na Rua do Sabão" reacende a alegria das crianças do tempo em que os balões eram soltos em grandes clarões pelo céu. Publicado pela Global Editora e lindamente ilustrado por Odilon Morais a leitura também busca aproximar as crianças da tão famosa canção popular "cai cai balão".

Na Rua do Sabão a meninada corre solta. Um balãozinho de papel feito pelo filho da lavadeira agora sobe na escuridão do céu.


A molecada com atiradeiras, assobios, pedradas e aos gritos de "cai, cai balão!" pareciam ter maldade para ver o balão cair.

Mas ele só subia. Subia e subia.

O balãozinho não caiu na Rua do Sabão. Mas caiu em outro lugar imenso de tão grande.

Após apreciar a leitura desse poema é impossível escutar a cantiga com o mesmo sentimento. É possível sentir através do texto e das imagens a emoção e a euforia das crianças que moram na Rua do Sabão. Nos faz relembrar o quanto é gostoso aquele corre corre das brincadeiras ao ar livre e mesmo que a prática de soltar balões esteja proibida e, por uma boa causa, a experiência ainda se assemelha com diversas outras brincadeiras que chamam as crianças para fora de casa como soltar pipa, brincar de esconde esconde ou de barra bandeira.


 Posts recentes

© 2016 by Brincando e Contando

  • Black Twitter Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon